segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Diz que é... bom para férias!

Bom para passear, bom para férias, bom para relaxar, bom para o sol, tanta coisa!!
Quando viajo é sempre dentro do país, Portugal tem tanto para dar!!
Este ano tive a oportunidade de passar férias duas vezes. Hã, não é para todos! Então a convite de familiares meus, fui para o Carvoeiro, Algarve. Até podia dizer que são as típicas férias, mas não o são para mim que já não ia para o Algarve há uns cinco anos, por altura de um festival que já foi extinto e que era organizado ali (quase) ao lado em Sagres.

Às oito da manhã lá estava eu com os tarecos às costas no terminal de Sete Rios. A viagem fez-se mais ou menos bem (sim, o meu organismo é um bocado intolerante ao ar condicionado no máximo..), levei uns quantos pontapés nas costas, mas lá cheguei ao destino: Lagoa!
Ainda bem que levei uma manta! A diferença de temperatura de dentro do autocarro para a rua era bem grande, uma pessoa quase que se constipa!

Os meus tios apanharam-me então no terminal e Lagoa e seguimos rumo ao Carvoeiro!
Então o cenário é assim:

Esta é a vista que temos cá de cima, a casa onde fiquei é no final desta rua.
De casa à praia eram uns 2 minutos, a pé, sem qualquer exagero!
Como a casa tem garagem, uma pessoa não tem de se preocupar com o facto de ter ou não lugar para deixar a viatura, e o bom é que só se ligava o popó para ir às compras em grande quantidade aos grandes supermercados, para as compras pequenas tínhamos sempre as mercearias.
Não é uma praia enorme, de perder de vista, é pequenita e bonita!
O menos bom da praia é que enche muito rapidamente e como não há muito espaço, as pessoas dirigem-se para as zonas mais perigosas... A praia tem uma falésia de cada lado e existe o risco de desmoronamento, não é por falta de aviso pois eles estão lá.
Fui todos os dias à praia, duas vezes para ser mais precisa, evitando assim as horas de maior calor. Mas só no último dia consegui comer uma bolita de Berlim!


Sim, já ia a quase a meio quando me lembrei de registar o momento. Óptimas óptimas!! Era creme com bola, atenção!

A casa onde fiquei instalada, pertíssimo da praia, tinha uma varanda bem jeitosa para as refeições, muito agradável e com o bónus de todas as noites ter ali ao lado música ao vivo por via das festas dali.


Não tirei muitas fotografias, estava mais virada para o relax do que outra coisa, mas ficam duas fotos da praia:



Posso orgulhar-me de não ter apanhado escaldão algum, nem umzinho! Por vezes desleixo-me, ponho protector ainda em casa, mais uma vez quando chego à praia e depois só me volto a lembrar quando me alertam para "JÁ APANHASTE UM ESCALDÃO!" E pronto, já sei que vou dormir mal, que vai cair a pele, já para não falar dos perigos a longo prazo...
Eis que decidi comprar um chapéu de aba, porque também apanho escaldões no couro cabeludo... E lá fui eu em busca do chapéu perfeito, ou quase. O que não falta pelas ruas ali na zona são lojas e lojinhas a vender os souvenirs algarvios, roupa, bikinis, acessórios como pulseiras, colares, brincos, algum artesanato, e claro, as bóias de todos os tamanhos e feitios e claro, chapéus!

Após entrar e sair de muita loja e de ter experimentado toda uma panóplia de chapéus, a maioria maior que a minha cabeça, lá encontrei um jeitosinho que me salvou dos escaldões na cabeça, cara e ombros e de febres durante a noite.
Aqui está ele:






E é isto, foram quatro dias muito bem passados, no dia do regresso estava um calor que não se aguentava, eu não conseguia estar ao sol porque queimava mesmo, nem com chapéu nem com protector!
Uma pessoa fica sempre desgostosa quando tem de dar por terminadas as férias. Neste caso em concreto, era só uma pausa nas férias, uma semana depois já estava de férias, noutro sítio e é desse local que vou falar na próxima publicação.